Última Hora

Ação policial para frustrar roubo no Morumbi termina com 10 mortos


Dez homens foram mortos pela polícia na noite deste domingo (3) após tentativa de assalto a uma casa no Jardim Guedala, na região do Morumbi (zona oeste de SP).
 
Os criminosos faziam parte de uma quadrilha especializada em assaltos a casas de luxo no bairro, e a Polícia Civil estava monitorando o grupo antes da ocorrência.
 
Os suspeitos foram abordados por policiais quando saíam de uma residência na rua Pureus, por volta das 19h30. Dentro da casa havia três adultos e uma criança.
 
Houve intensa troca de tiros. Segundo a polícia, os criminosos tinham quatro fuzis.
 
Nenhum policial morreu no tiroteio, mas quatro acabaram levemente feridos por estilhaços. Policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações) e do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) participaram da operação, que usou carros descaracterizados.
 
Um carro com ao menos quatro criminosos conseguiu fugir. No final da noite, havia corpos espalhados em quatro ruas diferentes, estirados no asfalto. Três na rua Pureus, cinco na Pirapó, a poucos metros da casa alvo do assalto, um na rua Melo Morais Filho e um na rua Santo Eufredo.
 
A quadrilha usava ao menos dois veículos, um Fiat Toro e um Hyundai Santa Fé.
 
Os criminosos teriam saído da casa ao saberem do cerco da polícia. Eles estariam tentando abrir um cofre no local, mas não tiveram tempo.
 
Os criminosos foram alvejados dentro dos carros. Um dos veículos bateu em um poste a poucos metros da residência. O outro veículo ficou atravessado na rua.
 
'BALÕES DE FOGOS'
 
Segundo a polícia, a quadrilha estaria envolvida em vários assaltos a casas, caixas-eletrônicos e carros fortes. O líder do grupo, identificado como Sassá, está entre os mortos –é o baleado da rua Santo Eufredo.
 
O administrador Alfredo Barbosa, 60, que mora na rua atrás do local do assalto, ouviu os tiros quando estava em casa. "Foram mais de cem tiros certamente, durou mais ou menos uns 20 minutos. Pensei que eram aqueles balões de fogos", disse.
 
Barbosa afirma que nos últimos anos têm sido recorrentes relatos de assaltos na região. "Já entraram na minha casa, a situação ficou bem difícil de cinco anos pra cá."
 
Outro morador da vizinhança, que teve a casa assaltada há três semanas, reconheceu o tênis do seu pai no pé do criminoso morto.
 
"Entraram em casa num domingo e levaram tudo, ainda bem que estava vazia. Mas vi nas imagens do circuito interno, ele estava junto", disse à reportagem o morador, que preferiu não se identificar.
 
O caso ocorre em meio à epidemia de crimes contra o patrimônio (furtos, roubos e latrocínios) no Estado de São Paulo: nos primeiros seis meses do ano, houve um delito do tipo a cada 30 segundos.
 
A elevação em relação ao primeiro semestre do ano passado é pequena (0,3%), mas é a décima vez que se registra alta no Estado desde 2002. ( Folha Press )

Nenhum comentário

TESTE MONERO TECH