Desembargadora do caso Marielle apoia Bolsonaro e ataca OEA - Luciano Reis Notícias
Desembargadora do caso Marielle apoia Bolsonaro e ataca OEA

Desembargadora do caso Marielle apoia Bolsonaro e ataca OEA

Share This
[Desembargadora do caso Marielle apoia Bolsonaro e ataca OEA]

Alvo de investigações na Corregedoria do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) por manifestações em redes sociais, a desembargadora Marília de Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio, publicou nesta semana várias mensagens de apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), o que é vedado pelo conselho.
Em um dos textos, ela sugere que o Conselho Interamericano de Direitos Humanos deve "chupar um parafuso até ele virar prego", em crítica ao anúncio de reabertura das investigações sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1975.
A desembargadora passou a ser investigada no CNJ após a publicação de notícia falsa sobre a vereadora Marielle Franco, assassinada em março, e foi denunciada também por ofensas a portadores de síndrome de Down e ao deputado federal Jean Wyllys (PSOL).
As publicações da magistrada em favor de Bolsonaro foram iniciadas durante a transmissão da entrevista com o candidato no programa Roda Viva, na noite da última segunda (30). "Go Bolsonaro Go!!! Let's make Brazil great again!!! [Vai, Bolsonaro, vai! Vamos fazer o Brasil grande de novo]", escreveu.
"Marca a posse", disse em outro post. Para ela, Bolsonaro estava "surrando essa cambada de comunas [entrevistadores]" e mostrando "por que é o mito".
Manifestações de apoio a candidatos e partidos políticos são vedadas pelo Provimento nº 71, editado pela Corregedoria do CNJ em junho, após polêmicas envolvendo a atuação de juízes e desembargadores em redes sociais e em atividades políticas.
O texto veda também ataques pessoais a candidatos, lideranças ou partidos políticos com a finalidade de descrendenciá-los perante a opinião pública, "o que configura violação do dever de manter conduta ilibada ou decoro".
Em um dos comentários em publicação relativa a Bolsonaro, a magistrada diz que o candidato do PSOL, Guilherme Boulos "deveria estar preso". Na quarta (1º), seu alvo foi Ciro Gomes (PDT). "Vou votar no Tiro Gomes e sentar na varanda tocando harpa enquanto ele incendeia o país..."
Em março, após o assassinato de Marielle, a magistrada compartilhou publicação que acusava a vereadora de "estar engajada com bandidos" e de ter sido eleita pela facção criminosa Comando Vermelho. Ela depois pediu desculpas.
Segundo a corregedoria do CNJ, há hoje cinco processos de apuração abertos investigando a conduta de Marília, que podem resultar em punições que vão de advertência a aposentadoria compulsória.
A desembargadora pediu desculpas no caso Marielle, mas ironizou em comentário publicado nesta segunda a fiscalização sobre sua atuação nas redes. "Estão todos muito ocupados tomando conta do que escrevo no Facebook e do que o Bolsonaro fala sobre os quilombolas", disse.
Procurada, ela não quis se manifestar sobre o assunto. ( Luciano Reis & Bnews )

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

TESTE MONERO Luciano Reis Noticias