Rui celebra liberação da Sputnik V, mas lamenta limitação de doses: “Muito abaixo da necessidade”

Minha Bahia Saúde

Agência autorizou que estado use, de forma excepcional e temporária, apenas 300 mil doses do imunizante russo para aplicação na população

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), comemorou na noite de sexta-feira (4) a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de autorizar, em caráter excepcional e temporário, a importação da Sputnik V, vacina russa contra o novo coronavírus.

Pelo Twitter, o chefe do Executivo estadual afirmou, no entanto, estar “muito abaixo da real necessidade” a quantidade de imunizantes liberados para uso de somente 1% da população nacional — o que permitirá ao governo baiano aplicar apenas 300 mil doses das 9,7 milhões já compradas. Em sua decisão, a Anvisa anunciou que, inicialmente, o país só poderá adquirir 4 milhões de doses da Covaxin e outras 928 mil do imunizante russo — o que permitirá ao governo baiano utilizar somente 300 mil doses das 9,7 milhões já encomendadas.

Foto: Foto: Camila Souza/GOVBA

“É apenas o início, mas depois de muita luta conseguimos aprovação para importar e aplicar a Sputnik V. A quantidade autorizada pela Anvisa está muito abaixo da real necessidade. Agora, é batalhar para fazer chegar logo o que foi aprovado e vacinar nosso povo. Vacina salva vidas”, escreveu o governador no Twitter.

Assinado em março, o acordo para a aquisição da Sputnik V faz parte de uma negociação do Consórcio Nordeste com o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia, que fornecerá o total 37 milhões de doses ao Brasil.

No dia 26 de abril, a Anvisa rejeitou, por unanimidade, a importação e o uso do fármaco russo pelo Brasil. Um dos técnicos do órgão apontou “falta de documentação” e possíveis riscos do imunizante à saúde, dentre os quais a presença ou não de adenovírus com capacidade de replicação no corpo dos pacientes que receberem doses da vacina.

 

Da Redação- Luciano Reis Notícias, com Metro 1